13 ações que você pode fazer para seu negócio sobreviver à crise do COVID-19

As notícias e incertezas causadas pela pandemia do COVID-19 tem deixado todos preocupados, não apenas pela saúde pública, mas também pela crise econômica que já começa a pairar. Apesar disso, o desespero e o pessimismo não irão contribuir com a saúde do negócio. Por isso, aqui estão 13 ações práticas que você pode fazer para mitigar os efeitos da crise na sua empresa:

  1. Foque na comunicação: seus funcionários e clientes precisam de informações transparentes e confiáveis. Não tome decisões sem compartilhar com a equipe, não fique vários dias sem conversar com seu cliente. Informação transmite segurança e seriedade. Dependendo do tamanho de sua empresa, é ideal escolher uma única pessoa que será responsável por toda a comunicação interna e externa. Escolha alguém calmo, equilibrado e que transmita credibilidade.
  2. Reduza ao máximo os seus custos: você precisa preservar seu caixa. Por isso, renegocie aluguel, prorrogue prazos com fornecedores, cancele mensalidades de serviços dispensáveis e fique de olho nas medidas adotadas pelo governo (é possível prorrogar o pagamento do Simples e FTGS, por exemplo).
  3. Pense em formas diferentes de entregar seu produto ou serviço: sua empresa surgiu para atender as necessidades do cliente. Se as necessidades do cliente mudaram, sua forma de vender e entregar precisa mudar também. Pense em criar infoprodutos (aqueles que podem ser vendidos pela internet), em fazer entregas na casa do cliente ou por meio de drive-through.
  4. Mantenha o relacionamento com o cliente: ainda que você não tenha um negócio que pode continuar funcionando durante a quarentena, mantenha-se conectado com o cliente. Ele não vai se lembrar de você caso você suma. Gere conteúdo com dicas que o ajudem. Por exemplo: se você vende vestidos de noiva e suas vendas caíram, pense em dar dicas para as noivas sobre como adiar o evento. Assim, elas sabem que podem contar com você e irão te procurar quando decidirem comprar.
  5. Faça parcerias: pense em pelo menos 3 empresas que podem ser suas parceiras, seja para te ajudar a reduzir custos, a fazer entrega, a te divulgar ou garantir que você seja lembrado pelo cliente. É momento de colaboração, não de competição.
  6. Reescreva e relembre seu propósito: em momentos de desespero, é muito fácil perder de vista o que nos levou a querer empreender e a tomar decisões desesperadas para vender de qualquer jeito. Por isso, relembre o seu propósito! Para não desanimar, você precisa ter clareza do que te motivou, até para não sair vendendo coisas que não têm nada a ver com você.
  7. Tire o “não vai dar” do seu vocabulário: o pessimismo mata as boas ideias. O momento é difícil, novo e inesperado. As soluções existentes não são suficientes, pois o problema não é o mesmo. Por isso, pare de bloquear suas ideias. As ideias mais malucas podem ser exatamente a solução que você precisa. Converse com pessoas, busque inspirações, ative sua mente criativa.
  8. Procure saber o que empresas de outros países fizeram: o Brasil está alguns dias ou meses atrás de outros países que enfrentam a pandemia. Além disso, países que sofrem com desastres naturais já passaram por momentos de dificuldades semelhantes a esse. Pesquise o que as empresas fizeram para dar a volta por cima. Você pode ter ótimas inspirações.
  9. Melhore seu atendimento online: não adianta colocar a equipe em home office e passar a vender pela internet se seu atendimento não é bom. Foque na agilidade, preste atenção no seu tom de voz e garanta que está facilitando a vida do cliente.
  10. Arrume a casa: esse é um bom momento para fazer todas aquelas coisas que você nunca tem tempo de fazer. Revise seu perfil no LinkedIn. Melhore seu site. Crie novas apresentações para seu portfólio. Limpe os armários. Deixe tudo em ordem e preparado para quando a crise passar.
  11. Elabore uma ação de reabertura como uma segunda inauguração: quando o período da quarentena acabar, muita gente vai querer comprar. Prepare ações interessantes e baratas para chamar a atenção do cliente. Garanta que você seja visto primeiro e que seja mais atraente que seus concorrentes.
  12. Faça um planejamento estratégico considerando um cenário otimista, um pessimista e um pior ainda: é hora de gerar ideias e se preparar. Pense em como seu negócio pode sobreviver se as coisas complicarem ainda mais. Não espere o problema para gerar ideias de soluções.
  13. Cuide de sua saúde mental: não adianta olhar para o negócio e para sua equipe e se esquecer de você. O momento pede agilidade, mas não pressa. Garanta que você está emocionalmente bem. Faça terapia, meditação, exercícios físicos. Peça ajuda se for necessário. Desacelere quando sentir que precisa.

Todo mundo já cansou de ouvir que empreendedores arriscam, perseveram, são resilientes e sabem passar por dificuldades. Essa é a hora de colocar esses conceitos em prática. Com sabedoria, planejamento e agilidade, tenho certeza de que você conseguirá conduzir seu negócio durante a crise e colher os frutos depois que ela passar. O importante é se manter em movimento.

5 ações para você atender bem pela internet – parte 3

Sabe qual é a principal razão para o atendimento online ser tão ruim na maioria das empresas? Elas ainda não entenderam que esse atendimento é tão importante quanto o presencial ou telefônico e não pode ser feito de forma amadora. Atender online deve ser prioridade, e não ser feito apenas quando dá tempo. Por isso, preparei mais 5 dicas para você profissionalizar ainda mais seu atendimento pela internet:

1. Contrate profissionais exclusivos para o atendimento online

Com o aumento da demanda para atendimento online, é pouco provável que seus funcionários que atendem pessoalmente consigam atender bem online. Claro que isso depende da demanda e do perfil de cada negócio, mas para não sobrecarregar sua equipe e garantir um atendimento de qualidade, considere contratar profissionais exclusivos para o online.

2. Conheça bem seus produtos e serviços

Para atender online você precisa conhecer muito bem todos os seus produtos e serviços, além de saber onde eles estão anunciados, quais são as informações disponíveis no site e nas redes sociais, se existem promoções vigentes e estoque disponível. Ao dar uma informação errada, você pode ter problemas, já que o cliente pode dar prints na conversa e também ficar frustrado.

3. Crie apresentações simples com seu portfólio ou catálogo

Dependendo do seu negócio, você precisará mostrar seu portfólio ou catálogo para o cliente. Crie apresentações simples, não muito pesadas, com imagens de qualidade e sem excesso de texto, para que a pessoa possa ver e ler de qualquer lugar.

4. Capriche na qualidade das propostas

Para você que trabalha com propostas, tem se tornado comum enviá-las pelo WhatsApp para agilizar a comunicação. Antes de enviar, tenha o cuidado de conferir o texto, evitar erros ortográficos, verificar se a fonte está pequena demais, se o arquivo foi salvo corretamente. Uma proposta mal feita ou parecendo que foi feita às pressas pode impactar negativamente a percepção que o cliente tem do seu negócio.  

5. Utilize ferramentas online para assinatura de contrato

Se o cliente fez toda a negociação online, fica desagradável imprimir, assinar e digitalizar um contrato para te enviar. É melhor usar ferramentas online, que tenham validade jurídica, como a Contraktor.

É hora de aceitar que o atendimento online não é só uma tendência. É uma realidade. Quanto antes você se preparar e se organizar, melhores serão os seus resultados.

Para conferir as outras dicas é só clicar aqui: parte 1 e parte 2

6 coisas que você pode fazer nas redes sociais pelo seu negócio durante a quarentena

O comércio físico está parado. Isso não é novidade para ninguém. Mesmo que alguém resolva abrir as portas nesses dias de quarentena, talvez não consiga vender nada, porque não há clientes pelas ruas. Assim, uma saída acessível a todos para entrar em contato com seu público (e, talvez, até continuar as vendas) é por meio das redes sociais.

            Apesar de estarmos enfrentando uma crise em que não sabemos a data que irá acabar, é importante lembrarmos de que ela vai passar. Sabemos também que, se escolhemos ser empreendedores, sabíamos dos riscos e que imprevistos sempre acontecem. E é possível achar soluções para problemas: basta não nos paralisarmos e utilizarmos a nossa criatividade.

            Uma das formas de manter o contato com o cliente nesse período de quarentena é utilizar as redes sociais. Afinal, o contato físico está limitado, mas o contato virtual não. Então aqui estão seis dicas sobre o que você pode fazer pelo seu negócio utilizando as redes sociais nessa época de quarentena:

  1. Continue postando. Antes de mais nada, seus clientes precisam se lembrar que sua marca existe. Sua loja estar fechada temporariamente não significa que sua empresa acabou. Então faça posts mostrando sua marca, seus produtos, seus serviços e o que você tem feito nessa época de quarentena. Caso o cliente precise, nesse momento, de algo que você vende, ele poderá comprar de você se vir sua marca. Se o cliente for comprar no futuro, você tem mais chances de vender se ele não esquecer que você está no mercado.
  2. Crie relacionamentos. Nenhum negócio sobrevive sozinho, muito menos em épocas de crise. Então você pode aproveitar as redes sociais nessa época para conversar com outras pessoas que estejam passando pelas mesmas dificuldades e tentar encontrar saídas. Outra alternativa é mostrar seu lado pessoal: muitas pessoas compram não de quem vende o produto de melhor qualidade ou com preço mais baixo, mas compram de negócios cujos donos são conhecidos e amigos. Esse relacionamento pode ser iniciado com comentários em posts de possíveis clientes ou parceiros ou envio de mensagens diretas a essas pessoas. Veja que o foco aqui não é a venda, mas construir amizades para vendas ou parcerias futuras.
  3. Busque novos clientes. Além de postar e conversar com os clientes atuais, você pode utilizar as redes sociais para procurar novos clientes. Para isso, você pode entrar em perfis de pessoas parecidas com o seu público-alvo e mostrar que você existe. Por exemplo, se você vende roupas infantis, pode entrar em perfis de mães e enviar mensagens dando dicas sobre looks para as crianças.
  4. Faça parcerias. Como disse no primeiro parágrafo, é possível usar a criatividade para continuar vendendo. Assim, você pode fazer parcerias com outras empresas para vender produtos em conjunto. Por exemplo, uma loja de doces pode fazer parceria com uma pizzaria e enviar sobremesas junto com a pizza que um cliente pedir. Uma loja de roupas pode fazer parcerias com lojas de semijóias, mostrar looks completos nas redes sociais e vender por ali mesmo todas as peças.
  5. Faça posts diferentes. Agora é a hora de se arriscar. Sabe quando uma corrida de automóveis está com bandeira amarela, e se um piloto comete um erro as consequências são pequenas? Estamos passando pelo mesmo momento com os negócios. Postar o mesmo que todo mundo está postando não vai te destacar. Seu negócio vai ser mais um no meio da multidão. Então você pode tentar fazer posts diferentes (há muitos aplicativos que te ajudam nisso) e ver o que dá. Se tiver resultado (mais comentários ou mais curtidas, por exemplo), você pode continuar nesse caminho. Se a novidade não agradar e as pessoas não gostarem, você pode apagar e arriscar fazer alguma outra coisa diferente. Lembre-se também de sempre aprender tanto com o que deu certo quanto com o que não deu.
  6. Veja o que os concorrentes estão fazendo. Ideias geniais e salvadoras não precisam vir, necessariamente, da sua cabeça. Não é problema nenhum você entrar no perfil de seus concorrentes (ou mesmo de empresas que não sejam do seu ramo) e ver o que estão fazendo nesse período. Aproveite as redes sociais para observar como outros negócios estão se virando, pegue as melhores ideias e utilize no seu negócio.

Veja que há várias formas de não ficar parado nessa quarentena. Pode não ser fácil, mas é preciso se manter motivado, com o pensamento de que esse período vai passar e as pessoas voltarão a comprar. Talvez se você ficar fazendo o que sempre fez, você não terá resultados. Então é o momento de fazer diferente, e as redes sociais são um bom caminho para sair do comum sem gastar praticamente nada.

5 ações para você atender bem pela internet – parte 2

Nesse texto dei 5 dicas para você atender bem pela internet. Como o atendimento online é cheio de desafios, aí vão outras 5 dicas para te ajudar.

1. Resgate o histórico do cliente

Seus clientes podem falar com você em mais de um canal. Às vezes um cliente já conversou diversas vezes pelo WhatsApp e inicia uma conversa pelo Instagram. Resgate a outra conversa para ver quais são as preferências do cliente, o que ele já comprou e qual o seu histórico. Algumas pessoas podem se sentir ofendidas quando você não se lembra delas ou ter a impressão de que a empresa é desorganizada.

2. Utilize ferramentas de CRM

CRM, ou Customer Relationship Manager se refere a todos os processos e ferramentas usados pela empresa para gerenciar sua relação com os clientes, satisfazê-los e fidelizá-los. Uma boa gestão do relacionamento prevê armazenar dados sobre as preferências do consumidor, informações sobre seu aniversário, histórico de compras, e tudo mais. Você pode usar um simples caderno ou softwares mais completos, como o Nectar ou PipeDrive, mas não deixe de utilizar alguma ferramenta. Assim, você consegue personalizar o atendimento, fazer com que o cliente saiba que você se importa e aumentar suas vendas, uma vez que é possível avisar quando novos produtos chegaram ou fazer follow-up de negociações.

3. Cuide do tom de voz

Na nossa comunicação, apenas 7% se referem às palavras ditas. 38% diz respeito ao tom de voz e 55% à linguagem corporal. Isso quer dizer que o modo como você diz alguma coisa afeta mais o entendimento do ouvinte do que a mensagem em si. No atendimento online, a linguagem corporal e o tom de voz não ficam evidentes. Por isso, você deve usar estratégias. Evite usar letras maiúsculas, pois elas dão a impressão de que você está gritando. Use emojis para auxiliar no tom de voz (com moderação). Releia sua mensagem em voz alta, com um tom de voz agressivo. Se ela se encaixar nesse tom, reescreva para evitar interpretações erradas.

4. Revise todas as conversas no fim do dia

Para garantir que nenhum cliente ficou sem resposta ou que nenhuma conversa tenha ficado incompleta, revise todas as conversas do dia antes de encerrar o expediente e deixe aquelas não respondidas marcadas como não lidas. Isso é também uma forma de follow-up que ajuda a aumentar suas vendas.

5. Use o WhatsApp Business

A ferramenta permite fazer catálogos online, criar mensagens automáticas ou atalhos, responder pelo computador e criar etiquetas para categorizar as conversas (na minha opinião o melhor recurso). Assim, você pode manter as conversas organizadas e facilitar seu trabalho.             Atender bem é uma decisão que você e sua equipe precisam tomar todos os dias. Conheça as ferramentas que estão à sua disposição e teste as opções para encontrar as que fazem mais sentido para seu negócio. Você precisa garantir que seu cliente goste do atendimento e volte a comprar de você.

5 ações para você atender bem pela internet

Nos próximos 2 anos, 2 em cada 3 atendimentos serão feitos online (site, WhatsApp, Instagram, etc). Seu negócio está preparado?

Você já enviou uma mensagem querendo comprar alguma coisa e, enquanto esperava a resposta, procurou outra empresa, enviou mensagem e fechou a compra, enquanto a primeira empresa ainda nem tinha te respondido? Esse é um erro típico: não dar ao atendimento online a atenção que ele merece. Não basta se preocupar com uma rede social bonita, ou com uma loja física impecável. O atendimento online muitas vezes é o primeiro ponto de contato entre o cliente e seu negócio e, por isso, não pode falhar. Aí vão algumas dicas que podem te ajudar:

1. Responda rápido.

Quando o cliente manda uma mensagem e você demora para responder, a sensação é a mesma de entrar em uma loja e ser completamente ignorado pelos vendedores. Na internet, a percepção de demora é ainda maior, já que todos se acostumaram com a agilidade da rede. Por isso, responda rapidamente. Ainda que não consiga dar atenção completa para aquele cliente no momento, mande uma mensagem do tipo: “estou finalizando um atendimento e te respondo em alguns minutos” ou deixe claro em qual posição ele está na fila de espera. Assim, o cliente sente que foi valorizado e fica mais propenso a te esperar.

2. Cuidado com erros ortográficos

A percepção do cliente sobre a sua empresa será feita a partir da conversa online. Talvez você não tenha uma outra chance de contato com ele. Erros ortográficos passam a impressão de que sua empresa é desorganizada ou até mesmo incompetente. Peça que todos da equipe revisem seu texto antes de enviar.

3. Tenha mensagens prontas salvas

A agilidade é fundamental para o sucesso no atendimento online. Por isso, você pode ter mensagens prontas para aquelas perguntas que são mais comuns ou informações que precisa fornecer sempre, como os dados bancários da empresa. Só tenha o cuidado de personalizar a mensagem para quem está lendo. Por exemplo: se a mensagem tiver sido escrita no masculino, adapte para o feminino.

4. Use automação com (muita) moderação

Quanto mais os atendimentos se tornam automatizados, mais as pessoas valorizam ser tratadas como pessoas. Dê atendimento personalizado. A automação é confortável para você, mas não ajuda a estabelecer vínculos com o cliente e a estreitar o relacionamento. Se ela for necessária, use apenas para iniciar o atendimento, verificando qual é a opção desejada pelo cliente (quando no site) ou para avisar seu horário de funcionamento nos momentos em que estiver indisponível (no WhatsApp, por exemplo).

5. Áudios só com autorização

Se a pessoa está conversando com você por um canal online e não por telefone ou pessoalmente, é muito provável que ela não queira ouvir sua voz e prefira digitar. O áudio pode ser mais confortável e rápido para quem atende, mas nem sempre é agradável para quem recebe. Por isso, pergunte ao cliente, antes de enviar, se ele quer e pode receber um áudio no momento. Ainda que ele aceite, seja objetivo e fale apenas o necessário. É muito desconfortável ouvir áudios com mais de 1 minuto.

No atendimento online, a empatia é a regra máxima. Pense como seu cliente gostaria de ser atendido e trate-o da maneira que ele merece. Com organização, uso das ferramentas corretas e boa vontade, você conseguirá garantir um atendimento excelente!

Como fazer uma ótima bio do Instagram

Temos 150 caracteres para escrever na bio do Instagram. Geralmente é ali que as pessoas fazem o primeiro julgamento sobre o nosso negócio e podemos conquistar ou perder clientes em uma rápida olhada. Ou seja, são 150 caracteres para falar o que é mais importante do nosso negócio. Assim, recomendo que uma excelente bio sempre tenha essas 4 informações:

1.     O que o negócio faz. Descreva, de forma clara e objetiva, sobre o que é aquele perfil. Por exemplo, é de uma padaria? Escreva: “Padaria em São Paulo”. É de um corretor de imóveis, escreva algo como: “Te ajudo a comprar ou vender seu imóvel no Rio de Janeiro”. Evite ser muito abstrato, como colocar o slogan de um negócio que não seja conhecido. Por exemplo, para uma padaria, evite: “Transformando trigo em gostosura”;

2.     Como vende/entrega. É importante deixar claro para seu cliente como você vende seu produto. Por exemplo, escreva se você vende por atacado ou varejo. Se for um profissional liberal, pode ser interessante escrever se é necessário marcar o serviço com antecedência ou não. Em alguns casos, escreva se é necessário fazer encomenda ou a região de entrega. 

3.     Formas de contato. Coloque como o cliente vai entrar em contato com você. Coloque as formas mais fáceis para o cliente conversar com você – geralmente as pessoas preferem o número de Whatsapp. Mesmo que você tenha diversas formas de contato, coloque aquela que o cliente tem mais chance de utilizar. Por exemplo, dificilmente um cliente marcará um corte de cabelo via e-mail. Por isso, se você tiver ums salão, não precisa adicionar o e-mail na bio do Instagram.

4.     Outras informações relevantes. Finalmente, não se esqueça de colocar na bio aquelas coisas que o cliente sempre pergunta ou tem dúvida, como o horário de funcionamento, se abre aos fins de semana ou se tem estacionamento próprio. Lembre-se que você pode mudar sua bio em datas importantes (por exemplo, talvez seja interessante para uma confeitaria, na época da Páscoa, colocar até que dia aceitará encomendas de ovos de chocolate).

Além disso, caso seus clientes vão até você em um endereço físico, não deixe de colocá-lo. Para fazer isso, basta ir em “Editar perfil” dentro do Instagram e depois em “Opções de contato” e, em seguida, “Endereço comercial”.

Lembre-se de que seus concorrentes também estão no Instagram. Assim, se um possível cliente entra no seu perfil e já vê imediatamente as informações que quer, as chances de procurar um concorrente são menores. Ou seja, você terá maiores chances de conquistar esse cliente sem nem mesmo conversar com ele! 

Não deixe de ler:

5 pontos para analisar antes de escolher o segmento de mercado para seu negócio

Escolher um público com características semelhantes para atender (o que chamamos de “segmento”) é extremamente importante para sua empresa para que você saiba, entre outras coisas, quais produtos oferecer e como comunicar. Por exemplo, se você tem um restaurante, o estilo do cardápio, os pratos oferecidos e a forma de atender é bem diferente se você atende público idoso ou se você atende adolescentes qua acabaram de sair do colégio.

Você pode segmentar seu público de acordo com várias características, como idade, profissão, momento da vida, valores ou atividades que realiza. Além disso, não tem problema nenhum em você atender mais de um público distinto – embora tentar atender muitos segmentos pode fazer seu negócio perder o foco.

Pensando nisso, aqui vão 5 pontos para você analisar antes de decidir qual público atender com seu negócio:

·       Crescimento do mercado: É melhor escolher um segmento que esteja crescendo. Por exemplo, sabemos que a população está envelhecendo. Assim, um segmento que inclui “pessoas com mais de 60 anos” tem sua vantagem por estar em expansão.

·       Número de concorrentes: Mesmo que haja muitas pessoas com um determinado problema, seu negócio pode ter menos chances de sucesso se há várias outras empresas resolvendo os problemas dessas pessoas. Por exemplo, quem tem um automóvel precisa comprar combustível com frequência, ou seja, podemos pensar que “há mercado para um posto de combustíveis”. Mas se abrirmos um posto em um local que tenha várias outras opções, podemos ter menos resultados do que abrir em um local com menor concorrência.

·       Facilidade de entrada de concorrentes: Poucos empreendedores levam esse item em consideração. Negócios com maiores chances de sucesso são aqueles em que a entrada de concorrentes no mercado é mais difícil. Por exemplo, recentemente houve um boom de food trucks. Um amplo segmento de mercado estava comprando refeições nesse tipo de negócio. Os primeiros food trucks abertos conseguiram faturar bem mas, como é relativamente fácil abrir um food truck, o mercado rapidamente saturou — e praticamente acabou.

·       Possibilidade de expansão com novos produtos: Um bom segmento é aquele que permite que seu negócio consiga expandir, vendendo para o mesmo segmento. Por exemplo, uma confeitaria que tem como segmento pessoas que “só comem produtos low carb” tem a possibilidade de se expandir no futuro, por exemplo, vendendo almoço executivo low carb para o segmento que ela já atende (seus atuais clientes) ou suplementos alimentares com o mesmo fim.

·       Quem você gosta de atender: Sempre é difícil trabalhar com pessoas que você não tenha afinidade. Ou seja, se você não tem paciência para lidar com crianças, terá dificuldades em ter uma escola de educação infantil. Por isso, não pense apenas no lucro, mas também naquilo que te satisfaça pessoal e profissionalmente.

Aconselho que, antes de abrir um negócio ou de mudar o público a ser atendido, você analise cada um desses pontos de acordo com os segmentos de mercado que você pode atuar. Não se esqueça que seu negócio, sempre, vai precisar de clientes para sobreviver e, fazendo uma boa escolha do público, as chances de não faltarem pessoas comprando de você serão maiores.

5 dicas para um ótimo atendimento no WhatsApp

Usar o WhatsApp para atender clientes deixou de ser uma novidade e passou a ser uma prática comum. Isso não quer dizer que esse atendimento possa ser feito de qualquer jeito ou que podemos tratar os clientes da mesma forma que tratamos os nossos amigos nessa rede. Por isso, preparei 5 dicas para te ajudar a usar o WhatsApp da melhor forma possível em sua empresa:

1.    Responda rápido: da mesma forma que esperamos ser atendidos rapidamente quando fazemos uma ligação ou entramos em uma loja, esperamos ser respondidos rapidamente quando enviamos uma mensagem no WhatsApp. Não existe uma regra em relação ao tempo máximo aceitável para responder a mensagem, mas o ideal é que você não demore mais que alguns minutos para fazer isso. Caso a sua demanda de atendimentos seja alta, uma boa alternativa é responder algo do tipo: “Olá! Estou finalizando um atendimento e te responderei em alguns minutos.” Dessa forma, a pessoa sente que já foi vista e sabe que terá que aguardar um pouco, mas será atendida.

2.    Cuidado com o uso de mensagens automáticas: uma alternativa usada por quem recebe muitas mensagens é enviar mensagens desse tipo. Elas devem ser usadas com moderação. Pessoas gostam de se relacionar com pessoas, não com robôs. Use uma mensagem automática apenas para informar o horário de atendimento e o tempo esperado para responder. Não envie todas as informações de modo automático, pois o cliente quer interagir com você e não sentir que você está despejando informações para evitar conversar com ele.

3.    Cuide das palavras e revise seu texto: a impressão que seu cliente terá de sua empresa depende de como é a conversa pelo WhatsApp. Por isso, garanta que suas respostas estão sendo simpáticas, atenciosas e transmitindo todas as informações importantes. Releia os textos para ter certeza de que sua mensagem é compreensível e não contém erros ortográficos. Tenha cuidado com o uso de palavras em caixa alta, que dão a impressão de que você está gritando. Use emojis e figurinhas com moderação. Eles podem ser seus aliados para tornar a conversa mais leve e agradável, mas apenas se o tipo de conversa e de cliente permitirem. É sempre bom evitar piadinhas e ironia.

4.    Revise as conversas para garantir que ninguém ficou sem resposta: um dos problemas do WhatsApp é que nem sempre a pessoa responde na hora que você gostaria. Por isso, alguma conversa pode acabar ficando esquecida. Uma boa prática é criar o hábito de rolar a aba de conversas para baixo várias vezes ao dia e entrar em cada uma delas para ter certeza de que ninguém ficou sem resposta. Você pode fazer isso três vezes ao dia: ao final da manhã, no meio da tarde e antes de encerrar o expediente. Isso também aumentará suas chances de fechar as vendas, uma que vez que retomar conversas que pareciam perdidas as transforma em oportunidades novamente.

5.    Áudio só com autorização: antes de enviar áudios, pergunte se a pessoa consegue ouvir no momento. Muita gente utiliza o WhatsApp exatamente porque não pode, ou não quer ouvir uma mensagem de voz. Caso autorizado, seja breve em seus áudios e garanta que seu tom de voz está animado e adequado para a conversa.

A regra de ouro para atendimento é a empatia. Faça com o seu cliente o que gostaria que fizessem com você. Eu tenho certeza que você não gosta de esperar muito para ser atendido, não gosta de ser incomodado com áudios longos, não quer ler respostas automáticas que não respondem suas dúvidas e teria uma impressão ruim de uma empresa que escreve com vários erros ortográficos. Por que seu cliente seria diferente? 

Design nas Redes Sociais

No artigo anterior, conversamos um pouco sobre o  que é visual e sua importância para o processo de comunicação do seu negócio ou serviço. Discutimos os pontos chaves que dialogam com seu público alvo, o posicionamento da sua marca e os processos que respeitam os fundamentos do design.

Agora precisamos falar sobre o design aplicado ao contexto das redes sociais, afinal, com o surgimento delas começamos a criar perfis para divulgar nossas empresas, serviços, produtos dentre outros.

Entretanto, em meio a grande concorrência, uma nova questão surge: como conseguir atrair a atenção do cliente? E nesse ponto temos o design a nosso favor! E é de suma importância considerar que, se queremos atrair as pessoas, precisamos persuadi-las. Aqui vão algumas dicas:

1. Imagem

Para atrair os clientes podemos gerar um fator emotivo, uma ponte, um ponto em comum para promover a interação. Dentre alguns fatores no design de comunicação a imagem é fundamental, pois facilita na identificação das necessidades do cliente, pode gerar um desejo ou simplesmente ajudar na contextualização.

Tanto é assim que popularmente falamos “uma imagem vale mais do que mil palavras”. E isso é verdade! Não são com textos enormes ou inúmeras informações em uma postagem que vamos atrair o cliente, mas sim, com a capacidade de síntese que a imagem possibilita. Perceba no exemplo a seguir.

Essas são algumas postagens da marca de mochilas Herschel. Ela transmite o espírito aventureiro aos seus consumidores, com fotografias dos usuários utilizando seus produtos ao redor do mundo, e despertando o desejo por parte de quem visita o perfil. Afinal de contas quem não gosta de viajar e conhecer novos lugares?

2. Informações simples e diretas

É preciso saber potencializar as principais informações de maneira clara. Isso não significa que se deve descrever o título, subtítulo e chamadas de maneira engessada e sem graça.

Devemos lembrar que estamos elaborando postagens para alguém que devem ter uma identidade característica, com requisitos de fácil identificação dos caracteres e uma leitura facilitada para gerar a comunicação.

Na atualidade não temos tempo a perder e precisamos transmitir o que queremos de maneira eficaz, então lembre-se sempre que menos é mais.

Este recurso é muito utilizado no Instagram do banco Itaú.  Ao invés de fazer postagens com textos longos focando nos serviços que o aplicativo faz, o banco conecta com o público a partir de chamadas mais descontraídas (utilizando emoticons) de temas da vida do cliente.

A partir do momento que ele consegue prender a atenção, é introduzido a praticidade e os benefícios que a pessoa tem ao utilizar o aplicativo.

3. Cores

Deve-se também saber ponderar as cores na hora de utilizá-las. Cada cor exprime um significado que pode variar de acordo com vários fatores, como as próprias variedades de tons.

As cores quentes (amarelo, laranja e vermelho) tendem a chamar mais a atenção, utilizá-las para dar destaque em algum ponto específico da postagem é válido.

Porém, essas cores em excesso cansam os olhos e podem afastar o cliente. Da mesma forma, as cores frias (azul, verde, violeta) podem trazer um tom mais sério ao projeto, passando a imagem de algo mais profissional.

Se você não souber ponderar suas cores, elas podem trazer um ar apático que não gera destaque. Vale ressaltar que as cores não trabalham de maneira individual, e que uma única postagem pode possuir vários tons.

O segredo está em realizar uma composição harmônica, equilibrada, de acordo com os princípios da empresa e do tom da mensagem que você deseja transmitir.

Por isso, é importante ter combinações cromáticas pré-estabelecidas para identificação do negócio, pois somente com a repetição é que podemos criar uma identidade.

Veja o caso da startup Méliuz. Além das imagens joviais, é utilizado predominantemente a cor azul e rosa da empresa. De forma geral, as cores não são agressivas, dão um ar humanizado para as publicações, alinhando ao tom leve da mensagem. Esse conjunto de fatores contribuem para atingir novos consumidores.

Com o estudo de hierarquia das informações, do uso das linhas, formas, fontes, cores e o balanço entre todos esses aspectos, podemos contribui para resultados mais assertivos e de maior destaque!

E, se você quer aprender mais sobre os princípios básicos do design para aplicar nas suas redes sociais e ter mais sucesso na suas publicações, conheça nosso curso Design + Canva.

Como fazer vídeos curtos e eficientes para as redes

“Fala, galera! Tudo bem? Hoje, eu tô aqui pra falar com vocês sobre um assunto muito legal!…”. Depois disso, várias pessoas deixam de assistir a um vídeo. Não pelo conteúdo, mas pela falta dele. São gastos de 5 a 6 segundos nesse tipo de introdução, o que, na internet, é muito tempo para não revelar o tema ou não gerar curiosidade.

Demorar para apresentar o assunto; não ter uma chamada criativa; estar em ambiente inadequado; usar roupas ou objetos sem relação com o tema ou área de atuação; falar sem clareza; perder horas para um material de poucos segundos. São problemas comuns na rotina de vídeos para internet, mas poderiam acontecer menos se as pessoas aderissem a um bom roteiro.

O roteiro serve para prever e guiar o que irá ser feito. Ajuda a prevenir e corrigir falhas e reduz o ‘grava-regrava’. Seja para vender produtos e serviços ou para personal branding (autopromoção e autocomercialização), bastam 20 minutos para produzir um roteiro eficiente, com conteúdo de qualidade.

Confira um modelo básico de roteiro, retirado e resumido do Media Training Web, curso de prática para falar em vídeos para internet.

Roteiro básico

1. Defina o objetivo

Escreva o que deseja apresentar no vídeo. Evite vários assuntos de uma vez, por exemplo, se quiser abordar três coisas diferentes, é melhor gravar três materiais (um para cada).

Avalie se a ideia é viável (local acessível; ambiente favorável; recursos à disposição), pois um projeto complexo pode inviabilizar a execução ou não valer a pena.

2. Defina a ideia ou o gancho criativo

Busque uma forma criativa de passar o conteúdo. Chame atenção principalmente nos primeiros segundos, seja pela rapidez na apresentação do assunto ou por despertar a curiosidade. Lembra da citação no início do texto?

Exemplo: se for falar de investimento financeiro, uma opção é começar dizendo “Seu dinheiro vai dobrar em X anos se você investir em tal aplicação”. A frase leva os mesmos 5 ou 6 segundos que muitos usam para se apresentar, mas a diferença é que ela introduz o assunto nesse tempo.

3. Cuide do ambiente e do cenário

Escolha um ambiente condizente com o tema e observe se não há falta ou excesso de luz ou barulhos que vão prejudicar o áudio. Vamos a alguns exemplos: um advogado combina mais com escritório ou prédio jurídico do que com um parque.

Quem vai comentar sobre urbanismo, pode ir para a rua, mas deve observar os seguintes pontos como iluminação: escolher o início da manhã ou o fim da tarde, pois dão menos sombras; barulho: evitar avenidas com grande fluxo (se isso for inevitável, busque ao menos se posicionar o mais afastado possível).

4 . Crie um texto com tópicos

O texto ajuda na comunicação, mas optar por ler palavra por palavra na hora da gravação pode gerar uma fala mecânica e bastante artificial, o que é muito ruim. Por isso, ter o seu texto em tópicos vai ajudar a não se perder na fala e manter a naturalidade.

5. Faça uma call to action

Vídeos que têm objetivos como: vender; chamar para acessar outra página; se inscrever etc. devem fazer uso do call to action ou seja uma chamada para ação. Reserve, portanto, cerca de 5 segundos ao fim do vídeo para convidar as pessoas a realizar alguma ação como acessar o seu site, por exemplo. E reforço, busque formas criativas de fazer essa indicação.

Essas ideias acima demonstram um dos caminhos para se produzir vídeos curtos e interessantes para as redes sociais. Não é o único, nem é uma promessa de sucesso, no entanto, é comprovadamente uma forma de economizar tempo, prever erros e acertos e obter resultados mais eficientes.