6 passos para você mesmo fazer uma pesquisa de mercado

Fazer pesquisas são importantíssimas para tomar qualquer decisão em qualquer negócio. Por exemplo, se faz pesquisa para saber qual é o melhor cardápio em um restaurante; qual o melhor preço para vender o produto; ou que tipo de combo oferecer para os clientes e dar mais lucro. Quando fazemos uma pesquisa de mercado do jeito certo, sabemos o que o cliente quer e, assim, temos a possibilidade de oferecer o que ele mais tem vontade de comprar. Isso é melhor do que criar algo “da nossa cabeça” e esperar que atenda as vontades do cliente.

Fazer uma pesquisa parece fácil. A maioria das pessoas vai no Google Forms, abre um formulário, escreve as perguntas e depois manda para grupos de whatsapp para qualquer um responder. E aí, na maioria das vezes, essas pessoas têm respostas que não servem para nada.

Esses erros vão desde fazer as perguntas erradas até escolher as pessoas erradas para respondê-las.

Antes de começar qualquer pesquisa, é preciso se planejar. É preciso pensar no que será perguntado e para quem será perguntado. Não é fazer uma pesquisa por impulso. E, por falar nisso, tenha muito cuidado com enquetes feitas no Insta! Às vezes são seus amigos respondendo e querem te ver feliz, mas não mostram a realidade dos seus clientes.

Para que você faça boas pesquisas, que realmente façam a diferença no seu negócio, aqui vão 6 passos:

1. DEFINA SEU OBJETIVO

Entenda realmente o que você quer descobrir com a pesquisa. Por exemplo: se suas vendas estão caindo, o objetivo pode ser: “descobrir por que as pessoas estão deixando de comprar de mim”.

2. FAÇA O “DESENHO DA PESQUISA”

Defina: quem vai responder; como você vai analisar os dados; onde a pesquisa será feita; quais perguntas serão feitas.

3. MONTE O QUESTIONÁRIO (se for fazer uma pesquisa com questionários)

Se você for aplicar um questionário online, monte as perguntas dentro da plataforma que você for usar. Alguns sites para montar questionário são: GoogleForms, TypeForm, Survey Monkey e Qualtrics.

4. FAÇA UM TESTE

Mande seu questionário para algumas pessoas e verifique se elas conseguem entender todas as perguntas e o tempo que levam para respondê-lo. É importante lembrar que questionários mais curtos têm mais chances de terem mais respostas.

5. COLETE OS DADOS

Depois de fazer o teste e ver que está tudo certo, envie o questionário para pessoas que tenham o perfil de quem você quer conhecer. Lembre-se de que, muitas vezes, seus amigos não são os seus clientes.

6. FAÇA A ANÁLISE DOS DADOS E TENHA INSIGHTS

Veja o que as pessoas responderam. Analise e tenha ideias sobre como você pode aplicar tudo no seu negócio. Cuidado para não se apegar às respostas que “você quer ouvir”. Dê valor a tudo que as pessoas falaram.

Depois de fazer toda a pesquisa e entender melhor o seu cliente, vem uma parte importantíssima: aplicar os resultados! Resultados de pesquisas não são feitos para ficar guardados dentro de uma gaveta. Use o que você encontrou para melhorar seu negócio, mesmo que o resultado não seja o que você esperava. Aliás, se muitas pessoas derem respostas diferentes das que você imaginava, pode ser preciso acender uma luz amarela na forma que você conduz seu negócio: talvez você não esteja atendendo o que o mercado quer e é preciso fazer ajustes para continuar tendo lucros! 

Como escrever um e-mail Marketing: Veja esse modelo de 6 passos!

Utilizar e-mail para vender é cada vez mais comum. Seja para fazer lançamentos, seja para aumentar a venda de produtos e serviços, e-mails têm dado excelentes resultados! Mas, para vender, é preciso não só ter uma boa base de clientes (leads) cadastrada, como também é necessário escrever um e-mail que chame a atenção, convença e leve o cliente a comprar de você – e, quanto antes, melhor!

Para te ajudar nisso, aqui está um modelo de e-mail para que você faça suas vendas! Aconselho que você use esse passo-a-passo e teste pequenas variações. Você vai ver que você vai ter mais resultados ao enviar suas mensagens!

Passo 1: Na hora de escrever um e-mail, a primeira (e talvez uma das mais importantes) coisas que você vai precisar é de um assunto. O assunto precisa ser uma frase curta, simples, fácil, mas que o leitor pare e pense: “eu preciso clicar para ler o que tem aqui dentro”. Escreva várias opções de assunto e escolha aquele que for melhor. Tire da quantidade, a qualidade.

Passo 2: No início do e-mail em si, aconselho você colocar uma ou duas frases que reforcem o impacto do seu assunto, que despertem a curiosidade do leitor a continuar lendo seu texto. Por exemplo, se o seu assunto foi “Venda 3 vezes mais com a metade dos funcionários”, o início do seu texto pode ser algo como: “Utilize a plataforma que empresas como X, Y e Z já estão usando e tenha também mais vendas com a metade da sua capacidade de produção”.

Passo 3: Depois dessas frases, vem o corpo do texto em si. O primeiro e segundo parágrafos do seu texto são essenciais para que seu cliente continue lendo o e-mail. Use sempre frases simples, curtas, fáceis de ler. Deixe a leitura fluida. Não coloque palavras técnicas. É importante que, nesses primeiros parágrafos, você escreva uma sequência do que você prometeu no seu assunto. Se coloque no lugar do seu cliente e continue se comunicando com ele. Mostre os problemas que ele está passando e a solução que você pode oferecer a ele. Use esses primeiros parágrafos para despertar a emoção do seu cliente e, ao mesmo tempo, mostrar os benefícios de ter o seu produto.

Passo 4: Até agora seu principal objetivo foi captar a atenção do cliente. Agora que ele está envolvido, é a hora de você provar os benefícios do seu produto. Se o cliente já estiver conectado emocionalmente com você, ele quer motivos reais para comprar seu produto, e você é o responsável por falar isso a ele. Mostre os resultados que outras pessoas já tiveram com seu produto, quanto ele vai perder se não comprar de você e faça o cliente se imaginar usando o produto.

Passo 5: Depois de apresentar os benefícios do produto, a transformação e o que o cliente irá obter se comprar de você, chegou a hora de oferecer o produto. Nesse momento, é importante que o cliente se sinta seguro em comprar de você. Por exemplo, se você está vendendo um curso, fale que o cliente pode ter todo o dinheiro de volta se não gostar. Se você está vendendo uma roupa, escreva que o cliente pode trocar quantas vezes quiser, com o frete por sua conta, se não tiver servido ou não tiver gostado. Especialmente em compras online, as pessoas ainda têm medo.

Passo 6: Finalmente, faça a chamada para ação, que é o nosso último elemento do e-mail. Aqui você vai escrever o que você quer que o cliente faça depois de ler todo seu texto. Se você estiver escrevendo um email e o cliente precisa clicar em um link para comprar, coloque um botão falando que, ao clicar, ele vai comprar. Se você quer que ele te mande uma mensagem pelo whatsapp, coloque um botão com o link para seu whatsapp. Se você estiver escrevendo uma landing page, escreva: “clique no link e seja direcionado para a página de venda”. Seja específico. Não escreva algo como: “Entre no site e saiba mais”. Esse tipo de texto é extremamente amplo e deixa o cliente perdido. Aqui é a hora de você fechar a venda. Se for colocar o link para o seu site, coloque um link que seja fácil de o cliente fechar a compra, ou seja, não coloque um link para uma área “geral” do seu site.

Veja que, seguindo esses passos, seu email vai ter uma lógica vai levar o cliente a fazer a ação. Essa estrutura parece um funil: você começa chamando a atenção, depois mostra os benefícios do seu produto, desperta a emoção do cliente, prova esses benefícios, oferece o produto e pede a ação. É importante prestar atenção em cada frase colocada em cada um desses blocos. Não perca de vista o objetivo de cada etapa: no bloco de despertar a emoção, foque nisso (e não em apresentar o produto, por exemplo). No bloco de pedir um clique, foque nisso (e não volte a falar dos problemas que seu cliente pode estar passando).

Quer saber mais sobre como escrever textos que vendem, inclusive conhecer novos modelos? No Comunica, que é o curso de Copywriting da Sempreende, eu falo sobre modelos de textos de vendas, como escrever títulos que chamam a atenção e dou detalhes sobre como escrever da melhor forma possível cada um desses blocos. Para se inscrever, basta clicar aqui!

6 passos para fazer uma análise SWOT que realmente vai te ajudar a tomar boas decisões (com exemplos!)

A análise SWOT (ou matriz SWOT) é uma ferramenta que serve para avaliar as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças de um negócio. Com essa análise em mãos, fica mais fácil para o gestor tomar decisões como onde investir, onde economizar, quais produtos vender, como anunciar e coisas do tipo.

A análise SWOT é relativamente simples de entender (mas não tão fácil de fazer, já que depende de muito conhecimento do negócio e do mercado), e que ajuda muito nas decisões futuras do negócio.

Primeiro passo: Liste as oportunidades e ameaças.

Quando se fala em “oportunidades” e “ameaças” na matriz SWOT, estamos falando do ambiente externo, ou seja, são coisas que estão fora da empresa e que ela não tem controle. Para identifica-las, é preciso estar atento a notícias, tendências, mudanças nas leis. Um conselho que eu sempre dou é ativar os alertas do Google (alerts.google.com) para que você fique sempre atualizado sobre notícias da sua área.

É claro que cada empresa vai identificar oportunidades e ameaças diferentes. Mas aqui estão alguns exemplos de oportunidades ou ameaças que poderiam estar em uma matriz SWOT:

– Pessoas comendo mais fora de casa;

– Casais tendo menos filhos;

– Viagens internacionais ficando mais caras;

– Construção de uma nova indústria na cidade;

– Aumento no número de empresas de economia compartilhada;

– Empresas utilizando cada vez mais o home office;

– Punição mais pesada a quem maltrata animais;

– Aumento no número de casamentos entre homossexuais;

– Tecnologia de reconhecimento facial ficando mais acessível;

– Leis mais rígidas para quem trabalha com a construção civil.

Observe que as oportunidades listadas são relativas ao ambiente externo. Assim, o que é “oportunidade” para uma empresa pode ser “ameaça” para outra. Por exemplo, “viagens internacionais ficando mais caras” pode ser uma oportunidade para quem vende pacotes de viagens nacionais, mas pode ser uma ameaça para quem trabalha com viagens internacionais. Da mesma forma, “leis mais rígidas para quem trabalha com a construção civil” pode ser ótimo para quem vende equipamentos de proteção individual, por exemplo, mas péssimo para construtoras, que precisam se adaptar às novas regras.

Assim, nesse primeiro passo, liste, em lugares separados, todas as ameaças e todas as oportunidades que seu negócio pode enfrentar.

Segundo passo: Liste as forças e fraquezas

Quando se fala em forças e fraquezas na análise SWOT, estamos falando da empresa em si, e não do que vem de fora. Para determinar o que são forças e fraquezas, é preciso conhecer bem o negócio, o mercado, os clientes e os concorrentes. Alguns exemplos de forças e fraquezas podem ser:

– Reputação da empresa;

– Participação no mercado;

– Capacidade de retenção do cliente;

– Número de seguidores no Instagram;

– Estabilidade financeira;

– Capacidade técnica dos funcionários;

– Capacidade de inovação;

– Capacidade de entrar em novos mercados;

– Organização financeira;

– Força (ou fraqueza) da marca;

Agora, nesse segundo passo, assim como você fez com as oportunidades e ameaças, liste (em lugares distintos) todas as forças e todas as fraquezas do seu negócio.

Terceiro passo: Analise suas oportunidades

Você vai ver, na sua lista de oportunidades, que há oportunidades mais fáceis de serem exploradas, outras mais difíceis. Algumas mais atrativas para você, outras menos atrativas. Agora você vai fazer a análise de cada oportunidade, dando uma nota (de 1 a 5) para cada uma delas em termos de: “facilidade de ser explorada” e “atratividade”.

Por exemplo, se for fácil para você criar um produto relacionado a “casais tendo menos filhos”, mas esse produto não vai dar muito lucro, você vai dar nota 5 para “facilidade de ser explorada” e nota 2 para “atratividade”. Assim, a nota final de “casais tendo menos filhos” será 7 (a soma de “facilidade de ser explorada” e “atratividade”).

Faça isso para todas as oportunidades listadas e você terá aquelas oportunidades com mais chances de sucesso de serem exploradas.

Quarto passo: Analise suas ameaças

Da mesma forma que você deu notas para as oportunidades, é a hora de analisar as ameaças. Para as ameaças, você vai dar nota de 1 a 5 para “probabilidade de ocorrência” (1 para “poucas chances de acontecer” e 5 para “grandes chances de acontecer”) e para “gravidade” (1 para “se acontecer, não tem muito problema” e 5 para “se acontecer, é um grande problema”).

Por exemplo, se “leis mais rígidas para a construção civil” tiver grandes chances de acontecer e, se acontecer, pode ser extremamente grave para seu negócio, você dá nota 5 para os dois quesitos, e a nota final dessa ameaça passa a ser 10. Veja que essa seria uma ameaça que você deve se preocupar muito.

Ao fazer essas análises, tanto de oportunidades quanto de ameaças, você consegue determinar o que é mais importante para você prestar atenção, ao invés de ficar com uma lista enorme de oportunidades e ameaças, sem saber o que fazer com elas.

Quinto passo: Analise suas forças e fraquezas

Agora é hora de analisar quão forte são suas forças e quão fracas são suas fraquezas, ou seja, analisar suas intensidades! Dê uma nota, de 1 a 5, para cada força e fraqueza. Se a força for muito grande, a nota é 5. Se for uma pequena força, a nota é 1. Com a fraqueza é a mesma coisa: se ela for muito grande, a nota é 5. Se não, a nota vai ser mais perto de 1.

Depois de dar a nota relativa à intensidade das forças e fraquezas, dê notas também para suas importâncias. Se for uma força muito importante para o negócio, a nota será 5. Se for uma força não muito importante, a nota será 1.

Por exemplo, imagine que um restaurante tenha como força um método de pagamento via celular, que é muito rápido, moderno e seguro. Porém as pessoas que vão nesse restaurante pagam quase sempre com dinheiro, ou seja, são poucos os clientes que utilizam esse outro método de pagamento. Assim, a “intensidade” dessa força teria nota 5, enquanto a “importância” para o negócio teria nota 1.

Quando você terminar de dar essas notas, você vai saber o que seu negócio tem de melhor – e é mais importante para ele – e o que ele tem de não tão bom, e vai entender o que pode causar problemas para sua empresa.

Ao terminar de dar as notas para suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, você vai ter um ótimo panorama do seu negócio e já vai conseguir tomar boas decisões. Com essa análise, você passa a ver o que realmente interessa de forma racional, e vê que, às vezes, uma ameaça que vive te preocupando pode não ser tão grave assim. Dessa forma, você concentra a energia no que realmente importa.

Sexto passo: faça a matriz cruzada

Para levar sua matriz SWOT ao maior potencial que ela pode atingir, você deve fazer o cruzamento dos campos, ou seja, fazer a matriz swot cruzada! Com ela você consegue enxergar muito bem caminhos para traçar uma estratégia do seu negócio, que podem ser relacionadas a atacar, confrontar, defender ou reforçar. Funciona assim:

Relacione seus pontos fortes com as oportunidades. Esse será o caminho para sua estratégia ofensiva. Identifique o que você tem de melhor, veja quais oportunidades você pode aproveitar com essas suas forças e faça a oportunidade acontecer!

Quando você relaciona seus pontos fortes com suas ameaças, você tem a estratégia de confronto. Ou seja, você vai identificar e traçar planos para como seus pontos fortes poderão impedir que as ameaças atrapalhem o seu negócio.

Ao relacionar os pontos fracos com as oportunidades, você cria as estratégias de reforço. De forma geral, você vê quais são as oportunidades que você está perdendo por não ter capacidade de explorá-las e, se verificar que vale a pena investir nelas, você faz planos para neutralizar esses pontos fracos ou mesmo fazer que eles se tornem forças.

Finalmente, quando você relacionar os pontos fracos com as ameaças, você tem as estratégias de defesa. São aqueles pontos críticos do seu negócio, aqueles que você precisa analisar com cuidado se vale a pena investir para enfrentar as ameaças ou se é mais interessante tomar outras ações, como até mesmo sair de determinado mercado.

Perceba que uma matriz SWOT vai muito além de listar pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças. Muita gente nem faz essa análise porque pensa que “já sabe tudo que estaria escrito nela”. Acontece que a análise SWOT, feita de forma correta (e isso pouca gente faz) é extremamente útil para te ajudar nas decisões do seu negócio. Ela te ajuda a definir até mesmo se vale a pena você continuar no seu negócio ou não!

Por isso, aconselho que você faça cada um desses passos com calma. O importante não é a matriz pronta, mas os resultados e estratégias que surgem a partir dela. Se você nunca fez uma matriz assim, você vai ver que, quando colocar tudo no papel, a forma de ver seu negócio vai mudar completamente!

Quer ter conteúdo de qualidade e exclusivo?

Assine nossa Newsletter!

Conteúdos e novidades do mundo empreendedor curtinhos direto no seu e-mail!

Seja também um empreendedor polvo! Aquele que sabe (e faz) um pouco de tudo.

Como agendar posts no Instagram usando o Estúdio de Criação

Agendar posts no Instagram é algo extremamente simples de ser feito e que ajuda muito qualquer pessoa que tenha um perfil a economizar tempo para fazer outras atividades. Atualmente existem várias ferramentas para agendar posts, sendo algumas pagas e outras grátis. Nesse texto eu vou ensinar como agendar posts no Instagram usando o Estúdio de Criação do Facebook, que é uma plataforma gratuita, ou seja, você não vai precisar gastar nada para fazer o agendamento das suas postagens.

Antes de começar, lembro a você que o Estúdio de Criação funciona para agendar posts no feed (fotos, vídeos ou carrossel) e IGTV. Ou seja, não é possível agendar Stories com ele. Além disso, ele funciona apenas para contas comerciais do Instagram que tenham uma página do Facebook vinculada.

Aqui estão os 8 passos para agendar os posts:

Passo 1: A primeira coisa que você deve fazer é entrar no Estúdio de Criação e fazer o login. O link é: http://facebook.com/creatorstudio/. É possível fazer o processo pelo celular, mas recomendo muito que você use o computador para isso, já que é mais fácil de fazer tudo em uma tela maior.Passo 2: Dentro do Estúdio de Criação, clique no ícone do Instagram que fica na parte superior da tela.

Passo 3: Na barra lateral do lado esquerdo, clique em “Criar publicação” e, em seguida, escolha se você quer agendar um post para o Feed (pode ser arte simples, vídeo ou carrossel) ou para o IGTV. Nesse caso, vou escolher Feed do Instagram, mas o processo para agendar IGTV é basicamente o mesmo.

Passo 4: Caso você administre mais de uma conta, escolha para qual conta você quer fazer o agendamento.

Passo 5: Escreva a legenda do seu post. Se você quiser adicionar uma localização, você pode fazer isso nessa tela.

Passo 6: Clique em “+ Adicionar conteúdo” e, em seguida, clique e “Do carregamento de arquivos” para adicionar as imagens ou vídeos que você quer fazer o agendamento. Essas imagens ou vídeos devem estar no seu computador.

Passo 7: Depois de ter escrito a legenda e adicionado as imagens, clique na setinha que fica ao lado do botão “Publicar” e, em seguida, clique em “Programar”.

Passo 8: Escolha a data que você quer que seu post seja publicado e clique em “Programar”.

Pronto! Assim que você fizer isso, seu post estará agendado e você não precisará fazer mais nada! Na data e na hora que você programou o seu post irá ser publicado no seu Instagram. Recomendo sempre que você tenha um “estoque de posts” e já deixe eles agendados. Assim, você tem consistência nas redes sociais – ou seja, não deixa de postar por vários dias seguidos – sem ter o trabalho de, todos os dias, ter que criar um post, entrar no Instagram e fazer a postagem.

Como acelerar um vídeo de forma fácil usando somente o celular

A dica de hoje é rápida, fácil e dá um efeito super legal nos seus vídeos! Às vezes gravamos alguma coisa com o celular (a montagem de alguma coisa, o preparo de uma comida ou algo assim) e o vídeo acaba ficando muito longo para ser postado. E aí ele não cabe nos poucos segundos que os stories ou feed nos permitem postar. O que fazer nessa situação?

Uma opção é acelerar o vídeo! E você pode se perguntar: qual app usar para acelerar vídeos? Eu recomendo o InShot. Ele tem uma versão gratuita, é super simples de mexer e dá para fazer ótimos vídeos com as imagens passando rapidamente.

Aqui estão 8 passos para que você consiga acelerar seus vídeos usando o InShot:

Passo 1: Baixe o app

Clique aqui para baixar pelo Google Play, e aqui para baixar pela Apple Store
Baixe e abra o app para começarmos.

Passo 2: Clique em Vídeo

Passo 3: Clique em “Novo”

Passo 4: Selecione o vídeo que você quer acelerar

Passo 5: Role a barra de ferramentas para a esquerda e clique em “Velocidade”

Passo 6: Selecione a velocidade que você quiser.

Por exemplo, se você colocar “2”, o vídeo ficará 2 vezes mais rápido (se tinha 30 segundos, vai passar a ter 15).

Se você quiser diminuir a velocidade do vídeo, o processo é o mesmo! Basta você selecionar uma velocidade menor do que 1.

Passo 7: Clique no v

Passo 8: Salve o vídeo e pronto!

O vídeo estará no rolo da sua câmera!

Como acelerar somente parte de um vídeo?

Em algumas situações, não queremos acelerar o vídeo todo, mas apenas uma parte dele. Para acelerar só uma parte do vídeo usando o InShot também é muito fácil. Basta seguir os passos abaixo:

Para começar: Abra o Inshot e o vídeo que você queira acelerar uma parte Para fazer isso, é só seguir os passos de 1 a 4 que mostrei ali em cima.

E-book: Dicas

para vender mais!

Você quer aprender dicas rápidas e práticas de como vender mais?

É só baixar o nosso e-book! É de graça!

Passo 2 (para acelerar somente parte de um vídeo): Coloque o vídeo no momento que você quer COMEÇAR a acelerar

Passo 3: Clique em “Dividir”

Passo 4: Role a barra do vídeo até o final da parte que você quer acelerar

Passo 5: Clique, novamente, em “dividir”

Quando você fizer isso, você vai ver, nessa barra do vídeo, que seu vídeo estará dividido em três partes.

Passo 6: Clique em cima da parte do vídeo que você quer acelerar (no meu caso, é a parte do meio do vídeo)

Passo 7: Com somente uma parte do vídeo selecionada, basta clicar em “Velocidade” e acelerar esse trecho na velocidade que você quiser. É só seguir os passos de 5 a 8 que falei lá em cima!

Gostou da dica? Seus vídeos ficaram muito mais atraentes com a velocidade diferente? Conta pra mim nos comentários!

Quer ter conteúdo de qualidade e exclusivo?

Assine nossa Newsletter!

Conteúdos e novidades do mundo empreendedor curtinhos direto no seu e-mail!

Seja também um empreendedor polvo! Aquele que sabe (e faz) um pouco de tudo.

Como fazer repost no Instagram

Nesse texto, vou te ensinar como fazer repost no Instagram. Se você não sabe o que é repost, eu explico. Repost é quando você copia a imagem (e, se quiser, a legenda) do post que alguém fez e coloca na sua conta. Fazer reposts no Instagram é uma boa forma de você movimentar seu perfil sem precisar criar conteúdo próprio. É claro que ter um perfil só de reposts pode não ser tão interessante para seus seguidores, afinal, as pessoas gostam de ver conteúdos próprios. Por isso, recomendo que você tenha não um perfil somente com reposts.

Outro cuidado a ter na hora de fazer um repost é sempre colocar a fonte, ou seja, indicar de onde você tirou o conteúdo. Provavelmente outra pessoa teve o trabalho de criar uma imagem ou um texto e o mínimo que devemos fazer é dar créditos a essa pessoa.

Agora que você já sabe o que é um repost, vou te mostrar como fazer um repost no Instagram em 14 passos.

Passo 1: Baixe um app que faça repost.

Há vários aplicativos de repost e todos eles funcionam de forma muito semelhante. Nesse passo-a-passo, usei o Repost for Instagram Instasave (clique aqui para baixar).

Atenção! Agora você só precisa baixar o app. Não precisa entrar nele por enquanto!

Passo 2: Entre PELO INSTAGRAM no post que você quer repostar

Abra seu Instagram e vá até a imagem do post que você quer repostar no seu perfil.

Passo 3: Clique no … que tem acima da imagem do post

Passo 4: Clique em “Copiar link”

Passo 5: Abra o Repost. Você vai ver que o post já vai aparecer lá!

Passo 6: Clique em cima do post que foi copiado para o Repost

Passo 7: Clique em Repost

Passo 8: Clique em “Copy Caption & Open Instagram”

Passo 9: Seu Instagram será aberto. Escolha se você quer repostar a imagem no seu story ou no feed

Nesse exemplo, vamos repostar no feed. Então, clique em “feed”

Passo 10: A partir de agora, é só você postar normalmente! Clique em “avançar”

Passo 11: Nessa próxima tela, se quiser escolha um filtro e clique, novamente, em “avançar”

Passo 12: Clique em “Escreva uma legenda” e marque “Colar”

Quando você “colar”, a legenda do post original será colada no local da sua legenda. Você pode fazer isso e deixar a legenda original, editar essa legenda ou, ainda, escrever a legenda que você escolher.

Passo 13: Depois de ter colocado ou editado a legenda, clique em “OK”

Passo 14: Clique em “Compartilhar” e a imagem estará repostada!

Apesar de serem muitos passos, é um processo simples! A maioria das pessoas trava na hora de copiar o link do post no Instagram e abrir novamente o Repost. Agora que você já sabe repostar, que tal treinar com um post da Sempreende no seu feed? 😉

Como usar o Reels – o novo recurso do Instagram – para gravar vídeos

O Instagram lançou na última semana uma nova ferramenta, chamada Reels, que permite gravar vídeos usando áudios, efeitos, dublagens, e a possibilidade de recortar e juntar diferentes trechos de vídeo em uma só produção. O recurso substitui o Cenase está sendo testado no Brasil, França e Alemanha. O Instagram Reels tem funcionalidades bem parecidas com o Tik Tok, rede social que mais cresceu nos últimos tempos, e parece ser uma tentativa do Instagram de conter os avanços da concorrente.  Os conteúdos criados no Instagram Reels podem ser compartilhados no feed, no direct, nos stories e no explorar. Entenda melhor como você pode usar esse recurso. 

Como usar o Instagram Reels:

  • Abra a câmera para Stories e selecione a opção Reels.
  • No menu lateral (no canto esquerdo) você verá as ferramentas de edição (áudio, velocidade, efeitos e temporizador).

  • Você pode gravar um vídeo único ou fazer vários cortes em sequência.
  • Também é possível fazer upload de um vídeo da galeria para compor o vídeo final.
  • Em “Áudio” você pode pesquisar uma música da biblioteca do Instagram para usar no seu Reels. Também é possível escolher sons para fazer dublagens.

  • Você pode usar seu próprio áudio original gravando o vídeo com ele. Quando você publica um conteúdo com sua voz, ele é atribuído ao seu perfil e outros usuários podem fazer dublagem usando seu som (assim como no Tik Tok).
  • Se você quiser usar o mesmo áudio que alguém usou, é só clicar em cima do nome no áudio (lá no vídeo) e depois em “usar áudio”.

  • O temporizador e a contagem regressiva te permitem gravar o vídeo com as mãos livres. É só ficar pressionando o botão de gravar que uma contagem regressiva irá aparecer na sua tela.

  • Nos efeitos você tem acesso a vários filtros parecidos com os dos stories e também a recursos como a tela verde, que permite que você coloque imagens no fundo do vídeo. Isso pode ser útil para colocar uma imagem sua em outro ambiente ou uma imagem de um conteúdo que você vai explicar no vídeo, por exemplo.

(nessa imagem eu coloquei um print da busca pelas palavras Instagram Reels feita no Google Trends, para mostrar seu crescimento. Ela poderia ser a imagem de fundo do meu vídeo falando sobre isso)

  • A opção velocidade controla a velocidade da reprodução do vídeo, deixando-o mais lento ou mais rápido. Você aumentar ou diminuir a velocidade de qualquer parte do vídeo que selecionar.

  • Após gravar o vídeo, é possível usar a ferramenta “alinhar” que te ajuda a sobrepor trechos do clipe anterior ao próximo. Isso pode ajudar a fazer as transições do vídeo no tempo certo (ideal para aqueles vídeos de troca de roupa, por exemplo).
  • Quando tudo estiver pronto, é só compartilhar. Nesse momento você pode alterar a imagem de capa, adicionar legenda, hashtags e marcar pessoas (assim como você faz nos stories).

  • Também é possível salvar um rascunho e finalizar a edição depois.
  • Seus vídeos ficarão salvos em uma guia Reels separada em seu perfil, onde você pode acompanhar o número de visualizações e curtidas do vídeo.

  • Para assistir os Reels feitos por outras pessoas você pode acessar esse guia em seu perfil ou clicar na lupinha do explorar e procurar por eles.

            Sempre que um novo recurso é lançado, o algoritmo tende a favorecer as pessoas que o utilizam, já que o Instagram quer mais pessoas consumindo e produzindo esse tipo de conteúdo. Por isso, pode ser interessante explorar. Além disso, é uma forma diferente de entregar informações ao seu público e também de promover entretenimento. Lembre-se de que as pessoas procuram as redes sociais para adquirir conhecimentos e também se divertir. Por isso, recomendo que você explore e teste o Instagram Reels para entender como ele funciona. Por parecer complicado na primeira vez, mas logo você se acostuma com os recursos.

            Ainda não dá para saber se o Instagram Reels vai conseguir derrubar o Tik Tok, mas essa é uma briga entre empresas que vale a pena acompanhar. 

Como fazer anúncios no Instagram de forma simples

Existem diversas formas de se fazer anúncio no Instagram, ou seja, de promover o seus posts no Instagram para que mais pessoas vejam o conteúdo que você está produzindo. Talvez a forma mais fácil de promover posts no Instagram seja utilizando o próprio aplicativo.

Aqui está um passo-a-passo de como fazer isso, lembrando que, para poder anunciar no Instagram, sua conta deve estar configurada como comercial ou como criadora de conteúdo:

Seguindo esses passos, seu anúncio no Instagram estará pronto! Caso tenha alguma dúvida, é só escrever nos comentários!

5 passos para fazer o Planejamento Estratégico da sua empresa

Menos de 60 dias para o fim do ano. Tenho certeza que você fez muita coisa e superou diversos desafios nos outros trezentos dias que se passaram. É chegado então o momento de fazer uma pausa – mas não uma qualquer – uma pausa estratégica. Analisar documentos, fazer um paralelo entre o que foi estabelecido como alvo no início do ano e o que se alcançou até o momento, revisar o planejamento. E, para aqueles que navegaram até o momento sem uma bússola, é hora de mudar essa situação.

Grande parte das empresas não tem ideia de como faz para tomar as decisões mais corretas, mesmo já se sabendo que o planejamento pode fazer a diferença para o sucesso do empreendimento.

Planejar significa organizar um plano, um roteiro, que levará ao alcance de resultados. Sua empresa está lucrando? Maravilha! Mas será que o resultado atual é o melhor que ela pode alcançar? O planejamento estratégico poderá responder essa e outras questões.

Para aqueles que não costumam se planejar aqui estão 5 passos para se preparar para o futuro:

1º passo: Obtenha informações. Faça o levantamento do maior número de informações possível sobre a empresa e mercado (ex.: resultados, tendências, concorrentes). Veja também como o governo pode influenciar no negócio (ex.: alguma nova lei, benefício para vender seu produto ou coisas do tipo);

2º passo: Tenha indicadores. Indicadores funcionam como termômetros, que indicam a saúde financeira do seu negócio. Então reúna a maior quantidade de números possíveis, como: faturamento, número de vendas, ticket médio, taxa de rotatividade de funcionários ou número de pedidos de orçamento.

3º passo: Pense no futuro. Responda as perguntas: “onde eu queria estar?”; “Os objetivos que tenho para o meu negócio estão sendo alcançados?”; “O que pode ser melhorado?”.

4º passo: Trace objetivos. Tenha suas metas definidas para saber onde você quer chegar. Seus objetivos precisam ser:

– Específicos: tenha clareza do que se deseja alcançar e foque no resultado. Ex.: Aumentar o número de vendas.

– Mensuráveis: especifique como o resultado será medido, um indicador tangível. Ex.: Aumentar em 20% o número de vendas.

– Atingíveis: seja ousado, mas mantenha os pés no chão. Estabeleça objetivos e metas que impactem positivamente no desempenho do empreendimento, que tirem a equipe da “zona de conforto”, mas que sejam possíveis de serem atingidos. Caso contrário, os efeitos poderão ser negativos, gerando desmotivação.

– Temporais: estabeleça um período claro para que os objetivos e metas sejam atingidos. Dizer simplesmente que deseja “Aumentar as vendas no próximo ano”, não é desafiador o suficiente. Ex.: Aumentar em 20% o número de vendas no primeiro trimestre de 2020.

5º passo: Faça planos de ação. Não adianta fazer um ótimo planejamento se você não colocar em prática. Para ajudar nisso, pense em como você vai executar cada etapa do plano. É importante que você defina quem vai fazer cada atividade planejada.

Importante!!

Quanto mais detalhado o plano de ação, melhor. Além disso, lembre-se que bons planos englobam um período temporal não muito longo, isto é, busque quebrar o seu objetivo anual em metas a serem atingidas em um período de três a quatro meses, por exemplo. Isso auxiliará em uma mudança mais suave de direção, caso o caminho escolhido até o momento não se revele o mais promissor.

Por fim, revise os indicadores novamente e, se necessário, levante outros para mensurar os novos desafios. Destes, escolha 5 indicadores que serão chave para o seu negócio. Eles terão relação direta com os objetivos, planos e metas traçados anteriormente. Lembre-se que o planejamento não deve ser feito agora e relegado a uma gaveta, perdido no esquecimento. Revise-o periodicamente!

Para aqueles que já possuem o hábito de fazer o planejamento estratégico, a dica é ser ousado. Continuem firmes, utilizando essa que é uma das mais poderosas ferramentas para o alcance do sucesso empresarial. Contudo, se desafiem também, afinal os clientes estão ávidos por novidades e a concorrência certamente não está de braços cruzados.

Como criar sua lojinha no Instagram

Você já deve ter ouvido falar sobre a possibilidade de criar o seu catálogo online e vender pelo próprio Instagram. Se sim, saiba que isso é sim possível! E hoje vou te mostrar o passo a passo para começar a vender pelo insta.

Se você não sabe do que eu estou falando, é sobre essa “sacolinha” que aparece, por exemplo, no perfil da Dobra nas duas imagens acima. Esse foi um recurso que surgiu em meados de 2018, e foi evoluindo bastante até chegar ao que temos como possibilidades hoje. 

Primeiro é importante saber que para ter uma loja no Instagram, você precisa de uma conta comercial e também de uma página do seu negócio no Facebook (ou uma conta no Gerenciador de Negócios). Isso porque vai ser pelo facebook que você vai conseguir gerenciar e organizar tudo! É lá que você cria seu catálogo e adiciona os produtos nas fotos que você postar no Instagram. Por isso, é essencial que o seu perfil no Instagram e o seu negócio no Facebook estejam vinculados.

Outro requisito é que a sua empresa venda bens materiais, ou seja, principalmente mercadorias físicas (por exemplo, no nosso caso, que vendemos cursos, a loja não é uma possibilidade) e que esteja nos países aceitos pela plataforma (o Brasil é um deles!). Os requisitos completos você pode ver aqui: https://web.facebook.com/help/instagram/1627591223954487?helpref=faq_content&_rdc=1&_rdr

Depois de conferir se você preenche todos esses requisitos, é a hora de começar a configurar a sua loja! Nesse momento, você vai fazer tudo pelo facebook. Existem 3 formas de fazer isso, e eu vou te mostrar o passo a passo de cada uma delas:

  1. Criar direto pela Página da sua empresa

Nesse caso, você vai abrir a sua página normalmente e acessar as configurações:Lá, você vai acessar a parte de “Modelos e Guias”:

Caso a opção “Loja” não apareça para você, é só ir no botão “Adicionar Guia” e selecionar essa opção!

Você verá que a opção “Loja” vai começar a aparecer na coluna esquerda na sua Página. Ao clicar nela, é só ir seguindo o passo a passo para configurar a sua loja.

Lembre de conferir que a opção “Finalizar compra em outro site” está marcada, pois só assim ele vai deixar você fazer o link com o Instagram depois.  E então é só começar a adicionar os seus produtos!

  1. Criar pelo Gerenciador de Negócios

Você irá acessar o seu Gerenciador de Negócios no Facebook. Para isso, é só clicar aqui e fazer o seu login: https://business.facebook.com/adsmanager/manage/

É só ir em “Criar catálogo” e começar o processo. Se você já tiver um catálogo e quiser editar, ele vai aparecer nessa lista, como no meu caso, e é só acessar para mudar ou acrescentar algo.

Aqui você deve escolher a opção que melhor se enquadra à sua empresa.

E, em seguida, você vai começar a configurar o seu catálogo! Ele pode ser todo feito pelo facebook, ou você pode integrar com alguma plataforma de ecommerce que você já use (essa parte eu explico na terceira opção, então, se for o seu caso, já pode pular para lá!).

Você deve conferir se a página selecionada é mesmo a sua, dar um nome para o seu Catálogo, e então é só selecionar o “Criar”.

E então você será direcionado para essa página: 

São muitos recursos para você explorar e ir descobrindo o que melhor encaixa para o seu caso. Minha dica é que você tire algum tempo para ler sobre cada um deles e testar – se não der certo, é só desfazer depois.

Para começar a montar o seu Catálogo, é só clicar em Produtos, e começar a adicionar o que você vende!

Você pode adicionar cada um deles manualmente, inserir uma planilha, ou importar do site da sua loja.

Para adicionar manualmente, você precisará inserir essas informações:

E ele passará a aparecer na sua lista de produtos nesse Catálogo:

Para fazer o upload dos produtos, a ficha é essa aqui:

Você deve inserir uma planilha contendo todos os produtos e eu sugiro que você leia o passo a passo antes de criar o documento, para garantir que não precisará fazer o trabalho duas vezes (ele fica nesse link aqui: https://web.facebook.com/business/help/1898524300466211?id=725943027795860)

E, para importar do seu site, você precisará adicionar um pixel linkado ao Facebook:

Nesse caso, a melhor pessoa para te ajudar é o Desenvolvedor que criou ou te ajudou a criar o seu site! Converse com ele que ele saberá te ajudar.

  1. Criar por meio de parceiros externos (outras plataformas de ecommerce)

Isso pode ser feito direto pela plataforma que a sua empresa utiliza, seguindo o passo a passo que eles disponibilizam, ou pelo Gerenciador de Catálogos do Facebook, como mostrado acima.

Depois de selecionar a plataforma que você utiliza é só seguir o passo a passo que vai surgir. Ele varia conforme a plataforma utilizada.

Após preenchido o(s) seu(s) catálogos, é a hora de fazer a ativação pelo Instagram. Para isso, basta acessar as suas configurações de conta e se cadastrar para a opção de compras:

A permissão pode demorar alguns dias para ser concedida, mas, depois disso, é só começar a marcar os seus produtos! Quando acessar a parte da loja, você terá a opção de escolher qual catálogo você quer vincular à conta.

Depois, é só criar um novo post (pode ser no feed ou stories) e escolher a opção Marcar produtos. No feed é como se você estivesse marcando uma pessoa, vai aparecer lá, embaixo de “Localização” e “Marcar pessoas”. Já nos Stories, vai ficar na aba de adesivos, lá onde você coloca gifs, enquetes, música, etc.

Quando você marcar pelo menos 9 produtos, você pode habilitar a aba Loja no seu perfil.

Agora você já sabe como começar a usar o recurso de compras do Instagram! Depois me conte se deu certo 🙂

*A sua versão do Instagram e do Facebook podem variar conforme o seu modelo de celular e versão dos aplicativos. Mas não se preocupe, o passo a passo será basicamente o mesmo 🙂